Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As ironias da Carolina

As ironias da Carolina

Leite e derivados - Bom ou mau para a SAÚDE?

Resultado de imagem para leite       

        Para quase tudo, existem diversos estudos – uns a favor, outros contra. Como tal, nem sempre é fácil perceber por onde nos devemos guiar. Os mass media fazem maioritariamente um “cherry picking” dos estudos, ou seja, escolhem o que lhes dá jeito, retirando pequenas partes da sua conclusão. Muito perigoso! Ao analisar-se os estudos, há algo muito mais importante que a conclusão: perceber em que CONDIÇÕES o estudo foi feita, QUAL A POPULAÇÃO, quais os factores de enviesamento (as variáveis que podem induzir o erro), o tipo de estudo e.... se existe ou não conflito de interesse.

        O leite não foge a este princípio! Altamente vilanizado não só pelos mass media, mas também por muitos profissionais de saúde e desporto, que afirmam que o leite é “mau” e engorda, devendo ser retirando a nossa alimentação .

        Podem saltar já para a conclusão...! Contudo, isso é o que o marketing faz e o que nos tem enganado! Não importa apenas dar uma opinião bonita! Importa sim dar-vos factualidade para que realmente possam ser críticos e tirarem as vossas conclusões.

 

SERÁ O LEITE O VILÃO?

 

         Bem, como nos guiamos no meio de tanto estudo? As meta-análise e revisões sistemática são muito importantes. Têm como objectivo, fora de conflitos de interesses, em pegar em “todos” os estudos já feitos (com resultados positivos ou não), basicamente aglomerar a informação e dizer-nos para onde a EVIDÊNCIA CIENTÍFICA NOS GUIA. Como disse diversas vezes, vão existir estudos que demonstram benefícios e outros que não. É necessário mantermos uma VISÃO ABRANGENTE, não sermos cépticos e de mente fechada.

         Vamos por partes!

 

Obesidade e diabetes mellitus tipo II*

*(DM II)

         O aumento da prevalência da DM II está associada à epidemia do séc XXI – a obesidade.

      Relativamente ao consumo do leite na infância, não existe evidência de que o consumo de leite leva ao aumento da adiposidade. Há uma modesta associação de que o consumo de uma porção de leite por dia (200mL) está associado a um efeito protector, diminuindo o risco de obesidade na adolescência.

        Nos adultos, o consumo de leite está também associado de forma positiva à perda de peso e manutenção do mesmo, uma vez que o leite é um alimento com um bom perfil nutritivo e proteico, sendo que a proteína é um elemento fundamental na manutenção do peso e da massa magra.

 

“Milk and dairy products are good sources of high-quality protein. Protein is important during weight loss and subsequent weight maintenance due to the high satiating effect which helps to prevent over-consumption of energy and thereby reduces body fat. Furthermore, dairy protein is a good source of essential amino acids for muscle protein synthesis and this helps to maintain the metabolically active muscle mass during weight loss”.

(Milk and dairy products: good of bad for human health? An assessment of the totality of scientific evidence, 2016)

 

       Relativamente ao risco de desenvolver DM II, os diversos estudos demonstram de forma consistente não existir relação com entre o consumo de leite/derivados e o aumento do risco. Para além disso, alguns estudos identificaram que a proteína do soro de leite pode reduzir a concentração de glucose pós-prandial em indivíduos com DM II.

 

“A diet high in milk and dairy products reduce the risk of childhood obesity and improves body composition in adults. (…) Additionally, dairy product consumption during energy restriction facilitates weight loss (…)”.

(Milk and dairy products: good of bad for human health? An assessment of the totality of scientific evidence, 2016)

 

Afinal leite não engorda..... Continuemos! 

 

Doenças cardiovasculares

        Os minerais tipicamente presentes no leite e derivados têm demonstrado atenuar os efeitos que os ácidos gordos presentes nos mesmos, têm no LDL-c. O consumo elevado de queijo não está associado ao aumento do LDL-c e, em comparação com o leite, não há diferenças estatisticamente significativas no perfil lipídico.  

        Em estudos mais recentes, há uma associação entre o consumo de 200mL/dia de leite e a diminuição em 7% do risco de enfarte, tendo em consideração a heterogeneidade dos resultados.

 

“There was no consistent association between milk or dairy intake and cardiovascular disease, coronary heart disease or stroke (...)”.

(Milk and dairy products: good of bad for human health? An assessment of the totality of scientific evidence, 2016)

 

 

Saúde óssea e osteoporose

       Para a manutenção de uma boa saúde óssea são considerados como fundamentais a proteína, cálcio, fósforo, magnésio, zinco, manganês, vitamina D e K. Há excepção da Vit D, todos estes nutrientes estão presentes no leite.

       O seu consumo é importante para o desenvolvimento ósseo na infância e adolescência. Já para os adultos, a relação entre estas vitaminas e minerais podem atenuar a perda de massa óssea associada à idade. Contudo, não há suporte suficiente para afirmar que o consumo de leite e derivados nos adultos, têm efeito protector na diminuição do risco de osteoporose e risco de facturas ósseas. Ainda assim, o consumo de produtos lácteos e com cálcio contribuem para uma boa saúde óssea nos adultos.

 

Oncogénese

    O leite e os seus derivados contêm diversos componentes que podem exercer um papel positivo ou negativo na carcinogénese.

     Para o cancro colo-rectal (o cancro mais prevalente em Portugal e a segunda causa de mortes por cancro nos países desenvolvidos), conclui-se de forma consistente que o consumo de leite e o cálcio provavelmente reduz o risco de desenvolvimento do mesmo.

       No cancro da mama, o consumo de derivados do leite com baixo teor de gordura, estão inversamente associados ao risco de desenvolvimento do mesmo.

       Para o cancro da próstata, o consumo de derivados está associado ao aumento do risco, sendo que o risco sugestivo é muito limitado.

     Para o cancro da bexiga, a evidência encontrada é inconsistente e inconclusiva, sendo que o consumo de leite está associada a uma diminuição do risco. Nenhum estudo sugere efeitos adversos do consumo de leite.

       Por último, relativamente ao cancro dos ovários, pulmão ou pancreático, não há associação entre o consumo de leite e os mesmos. Já para o cancro gástrico, há até um efeito inverso entre consumo de leite e risco de desenvolvimento do cancro.

 

Ups.... Lá se vai a premissa de que leite provoca cancro...

 

Consumo de leite e derivados e a mortalidade no geral

      Tendo em consideração todos os dados, não há evidência que suporte a ideia de que o leite e os produtos lácteos estão associados a um aumento da mortalidade geral ou de “pior saúde”.

“Neither total dairy intake nor intake of any specific dairy product was found to be associated with all-cause mortality”.

(Milk and dairy products: good of bad for human health? An assessment of the totality of scientific evidence, 2016)

 

 

Resultado de imagem para gif alerta

CONCLUSÃO

      Se leste tudo até aqui, estás de PARABÉNS! És uma pessoa curiosa e que deu a oportunidade a algo que há muito é tido como sendo uma “verdade”.  

      Não é um alimento essencial à nossa vida, mas tem impacto benéfico para a nossa saúde! O consumo de leite (e outros produtos de origem animal) está também associado a  uma vertente ética e moral, daí que consumir leite é uma OPÇÃO. O que não é uma opção é dizer-se que “faz mal”, provoca cancro e outras “mil” invenções! Tenham sempre em consideração que o marketing pretende CHOCAR e a informação é muitas vezes extrapolada do seu contexto para o que dá jeito!

       "O meu nutricionista/PT disse para retirar o leite" - Tens *verdadeiramente* intolerância? Então qual a razão para retirares o leite e derivados da alimentação? Se disserem que "faz mal" ou "incha"... não voltes mais. Mas qual a razão pela qual ainda existir tantos profissionais a afirmarem algo sem sentido? A verdade é que há muitos profissionais que se deixam levam pelo marketing e pelo extremismo criado, não procurando a evidência. Para além disso, é díficil explicar às pessoas que já têm uma ideia tão enraizada de que "pode beber leite, pode comer pão e batata que não engorda", portanto... mais vale ir na "onda", certo?

        Acho também muito curioso eliminar-se o leite porque "ai jesus, faz mal" mas o consumo de whey é tão liberalizado, algo que é nada mais nada menos do que soro de leite.... leite... *eco* leite...

      “Mas o leite é para bezerros.” – Hmmm ok.. e as bebidas vegetais são para os humanos...? Certamente que se algum dia chegar a “vegetal”, não beberei nem leite nem coisa nenhuma.

      Por último, relativamente à lactose, esse é OUTRO assunto. Se realmente acham (ou têm) intolerância à lactose, podem sempre consumir produtos lácteos sem lactose, obtendo os mesmos benefícios associados ao leite.

 

Relativamente à minha opinião sobre a indústria associada à produção alimentar, basta passares no meu perfil no instagram e espreitares as histórias em DESTAQUE sobre o leite!

 

Resultado de imagem para gif good job

 

Lovegrove JA, Giverns AI (2016). Dairy food products: good or bad for cardiometabolic disease?. Nutrition Research Reviews. DOI:10.1017/S0954422416000160

Lu Q et al (2016). Dairy products intake and cancer mortality risk: a meta-analysis of 11 population-based cohort studies.  Nutrition Journal 15:91. DOI 10.1186/s12937-016-0210-9

Kongerslev TT et al (2016). Milk and dairy products: good of bad for human health? An assessment of the totality of scientific evidence. Food & Nutrition Research 2016, 60: 32527 - http://dx.doi.org/10.3402/fnr.v60.32527