Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As ironias da Carolina

As ironias da Carolina

"Se eu consigo, também consegues" - Visto de outra perspectiva

       

 

          Constantemente vemos imagens de um “antes e depois” associada a um texto motivador sobre o porquê de escolhermos o fitness, o quanto nos ajudou e mudou. É verdade que o fitness ajuda-nos em muito, não só a atingir uma imagem na qual nos sentimos confortáveis – o que é MUITO importante – mas porque, na verdade, faz com ganhemos hábitos saudáveis e de equilíbro (ou pelo menos devia ser assim). Onde quero chegar com isto?

   

   

 Quando vejo estas imagens e leio os textos percebo que por trás está uma falta de confiança escondida. Não querendo ofender ninguém mas a constante “necessidade” de demonstrar que “antes era assim e agora sou assim”, mesmo que associada a um texto motivador de “se eu consigo, vocês também conseguem”, muitas vezes não é mais do que um texto com palavras que a própria pessoa gostava de acreditar para ela mesmo. É uma “falsa auto-confiança”. Admitam, é muito mais fácil falarmos e dizer como os outros se deviam sentir do que realmente fazer.. Especialmente connosco.

“Se eu consigo, tu também consegues” – frase tão utilizada, certo? Muito motivadora... Não. Nem por isso. Só demonstra que uma determinada imagem física é atingível por qualquer um, no entanto, não é qualquer um que consegue a paz de alma e equilíbrio. As evoluções físicas, por mais espectaculares e de “tirar o chapéu” que sejam, não demonstram a evolução pessoal, muito menos o nível de confiança. Sentirmo-nos bem físicamente é muito importante e é claro que todos gostamos de sentir que os outros nos vêem como sermos detentores de um bom físico (porque neste mundo parece que o físico é um estatuto...). Não há ninguém que não goste de se sentir bonito e não há ninguém que não goste de receber elogios. Contudo, como já escrevi num post anterior, não somos MESMO o nosso físico e nem estamos ao nível do mesmo. “Eu” posso ser a “gaja mais boa” aos olhos dos outros e sentir-me uma m*rd*, constantemente a diminuir-me porque “ah só falta um bocadinho de isto e menos daquilo!”.

        Com isto quero dizer que, na minha opinião, muitos dos textos motivadores sobre o quanto o “fitness ajudou-me a ser mais confiante, a estar bem comigo e a não precisar da opinião dos outros”, estão muitas vezes mascarados com uma confiança que não é real. Vejo isso tão frequentemente nas redes sociais... E vejo uma “multidão” de espectadoras a idolatrarem essa “falsa confiança”. Confiança essa que só é demonstrada pelo “antes e depois” – a melhoria física... Como se isso fosse a prova de algo, a marcação de uma posição. Acreditem que “a rapariga que não era muito bonita nem a mais bem feitinha para quem os rapazes olhavam” e que apesar de agora ser uma bomba, não é necessariamente mais feliz consigo mesma por causa disso (apesar de dizer que ganhou muita auto-confiança). Porque, no seu interior, sabe que a sua luta é pessoal e que o seu estatuto físico não lhe trouxe mais paz de alma.

          Onde é que estão as verdadeiras conquistas? A confiança nunca se vai ver notar através percentagem de massa gorda. Aliás, muitas vezes o processo da perda de massa gorda (ficar toda chapada é que é, hein!) é um processo directamente proporcional à perda de “liberdade” e de bons momentos e inversamente proporcional ao ganho de medos.

 

Concluindo: Quanto mais sequinhas estamos, maiores são os medos de perder o controlo e menores a quantidade de momentos em que nos sentimos bem connosco e que aproveitamos a companhia dos outros. É a verdade que custa. Atenção, eu não estou a escrever uma regra de que quem tem um bom físico e gosta de o demonstrar, tem falta de confiança. Apenas falo do que vejo... Comecem a olhar com olhos-de-ver para além dos textos bonitos... Não é disto que precisamos de ler! Não precisamos apenas de alguém com quem nos identificamos pela “negativa”, apenas porque tem os mesmos medos e inseguranças que nós! Precisamos de mais. Precisamos de sentir e SABER que somos mais que o progresso físico. Não me vou cansar de dizer isto.

          A mim, o fitness ajudou-me muito mas, em determinados momentos, também tirou-me muito. Há que saber admitir isso! É o primeiro passo para voltarmos ao equilíbrio e ao descentramento sobre o nosso corpo. Portanto e como sempre, na minha opinião, precisamos de mais fotos e textos motivadores que não sejam sobre a transformação física.